Artigos

Eleições e a valorização do trabalho docente

Por:  Carlos Alberto da Fonseca Pires*

Depois de analisar a situação das Instituições de Ensino Superior, o Movimento Docente definiu como prioridade a luta pela valorização do trabalho docente e das condições em que ele se realiza para que essas instituições sejam capazes de cumprir sua função precípua de atendimento da formação de milhões de jovens brasileiros, bem como de atender aos objetivos próprios de sua natureza na produção cientifica, na realização do ensino e da extensão de qualidade. Para isso, é indispensável construir uma nova carreira docente, com paridade, isonomia e possibilidade de ascensão a todos os cargos da carreira mediante uma política de qualificação de pessoal. Nesse sentido é indispensável reafirmar o compromisso de continuar a luta pela incorporação das gratificações e pela paridade entre docentes da ativa e aposentados, a isonomia entre as carreiras de 1° e 2° graus e de nível superior e a construção da carreira única.

O Sindicato reafirma a indissociabilidade do ensino, da pesquisa e da extensão e a autonomia como princípios norteadores fundamentais para orientar a universidade pública brasileira. O mês de maio de 2006 traz a oportunidade ímpar para que o movimento docente discuta seus rumos, seus métodos, seus discursos e suas alianças etc., uma vez que haverá eleição para diretoria do sindicato nacional, para diretoria da seção sindical e para o conselho de representantes. Nesse sentido é importante resgatar o compromisso do Movimento Docente com a construção de um sindicalismo autônomo e democrático, hoje ameaçado por uma proposta de contra-reforma sindical que, se implementada, centralizará as entidades de base pelas cúpulas das centrais sindicais e abrirá caminho para a mais ampla retirada de direitos trabalhistas. É preciso estar preparado para defender nosso sindicato, lutando para mantê-lo na trajetória de luta, no seu lugar no movimento sindical brasileiro, na defesa intransigente da educação pública e gratuita.

A história desse sindicato enche de orgulho todos aqueles se reivindicam da defesa da universidade pública. A garra da militância, a democracia interna, a fidelidade ao sindicalismo classista, a resistência do movimento docente nos leva a acreditar que temos condições de construir a unidade do movimento, em defesa de nosso sindicato (SEDUFSM/ANDES-SN), como instrumento de nossa luta por uma nova carreira docente, com paridade, isonomia e possibilidade de ascensão a todos os cargos da carreira mediante uma política de qualificação de pessoal. Participe do processo eleitoral!

(Publicado no jornal A Razão de 01.05.2006)

* SEDUFSM



Compartilhe com sua rede social!

© 2017 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet