Artigos

O Político Bufão

Por:  Luiz Carlos Nascimento da Rosa*

A vida e o poder no contexto medieválico, segundo a História da Arte, criou por meio da Dramaturgia a figura “esquisita” e deformada do Bufão. A sua não "normalidade" o condenava a viver como ratos nos subterrâneos dos espaços de poder. O Bufão é hilário. Causador de brincadeiras e risos quando sua figura emerge de seu submundo. Nas grandes tragédias o Bufão escalava, por vezes, sem a aquiescência de seu senhor ao mundo secreto do saber. Transformava-se, de forma autodidata, num erudito. A desgraça humana produz, no trágico, através da figura do bufão o riso de nossa própria condição. No ambiente da estética representa o coletivo dos excluídos, dos marginais, ou seja, o grito de alerta contra a opressão. Nos subterrâneos do poder nacional emergiu a figura patética do Político Bufão.

O Político Bufão não é deformado fisicamente. É bonito e usa ternos de grife. Suas atitudes insanas e desprezíveis banalizam a barbárie e silenciam os desmandos na vida pública. Os ratos da vida política nacional não são eruditos. São, em essência, pragmáticos. Gostam de levar vantagem em tudo. Seu maior objeto de desejo não é a esperança da caixa de Pandora, mas as chaves dos cofres públicos. O Político Bufão é deformado eticamente. Engorda sua conta bancaria e eleva sua posição, na triste pirâmide social nacional, com o dinheiro roubado.

O Político Bufão não mora em porões e não vive das sobras das festas do castelo. É sua excelência. Mora em mansões e é responsável pelas festas e orgias produzidas nas franjas do poder. É um déspota hilário que faz extravagância com o dinheiro de nosso orçamento. Diferentemente do Bufão da dramaturgia, o Político Bufão é o denunciado, é a materialização das múltiplas formas de corrupção.

Na loucura da vida política nacional, o Político Bufão nos faz refletir: razões econômicas, de uma minoria de larápios, não podem justificar um mundo de injustiças sociais sofrida pelo povo. Temos que reconstituir nosso prazer produzido a partir da participação nas diferentes esferas da vida pública. Sim aos "corcundas" da dramaturgia e um não aos políticos corruptos. Um novo momento etico-político tem que emergir dos escombros.

(Publicado no Diário de Santa Maria em 23 de setembro de 2009)

* UFSM



Compartilhe com sua rede social!

© 2017 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet