Notícias

13/04/2017   13/04/2017 17h18 | A+ A- | 465 visualizações

Comissão da Verdade da UFSM avalia os quase dois anos de trabalho

Coordenador diz que Comissão enfrenta obstáculos mas que está avançando


Beto Fidler faz avaliação positiva da Comissão da Verdade e diz que precisarão de mais prazo

Faltando pouco tempo para completar dois anos de funcionamento, a Comissão da Verdade da UFSM, instituída em 15 de junho de 2015 pela Portaria nº 75.620, faz uma avaliação positiva do trabalho desempenhado até então. Em entrevista à Assessoria de Imprensa da Sedufsm, o atual coordenador-geral, Beto Fidler, representante da Assufsm, explica que os depoimentos conseguidos já dão conta de traçar um panorama acerca da realidade vivenciada pela instituição no período ditatorial militar.

Comentários ouvidos já há muitos anos pelos corredores da universidade, por exemplo, confirmam-se: havia pessoas infiltradas pelos militares tanto nas salas de aula quanto dentre os docentes e servidores técnico-administrativos em educação. “Tem gente que entrou aqui dentro sem concurso público só para ‘arapongar’. Havia Diretórios Acadêmicos que se posicionavam abertamente a favor dos militares”, diz Fidler.

Outra constatação que já se pode ter nesses quase dois anos de trabalho da Comissão é de que, em Santa Maria, não há registros de violência física sofrida pelos militantes. “A repressão aqui não teve aquele grau que vimos em outras partes do país, como São Paulo e Rio de Janeiro, onde havia o Centro de Inteligência da Marinha e o próprio DOPS [Departamento de Ordem Política e Social], e eram registrados tortura física, sequestros, sumiço de corpos”, explica.

A prática frequente por aqui era a de tortura psicológica, com longos e repetitivos interrogatórios que tentavam com que o depoente caísse na contradição. Junto à violência psicológica, o cerceamento de direitos era também comum e um exemplo citado por Fidler é o de Paulo Lauda, o mais jovem prefeito de Santa Maria [35 anos], que teve seu mandato cassado e também foi proibido de ser professor universitário. Na última semana, inclusive, a Comissão ouviu o depoimento de Lys Lauda, filha de Paulo, que ficou preso por cerca de dez meses no 29º BIB [Batalhão de Infantaria Blindado].

Outros depoimentos coletados foram, por exemplo, do professor estadual Dartagnam Agostini, do professor aposentado da UFSM, Dartanham Baldez Figueiredo, e do professor Eduardo Rolim, excluído do quadro da UFSM pelos militares.

Em ano de processo eleitoral para a reitoria, Fidler lembra que a Comissão é institucional, e, mesmo assim, guarda a expectativa de que não seja ser desmontada com uma possível troca de gestão.

Documentos sumidos

Dentre os obstáculos encontrados pela Comissão ao longo desse período, Beto Fidler cita o sumiço de documentos que deveriam estar no Arquivo Geral da universidade. Alguns terão de ser requeridos via Ministério Público e buscados no Arquivo Nacional.

Outra dificuldade destacada foi relativa às condições estruturais. Por exemplo, a sala em que ocorrem as reuniões da Comissão foi conseguida com bastante dificuldade e instrumentos importantes de trabalho chegaram tardiamente, a exemplo da impressora para o computador, recebida apenas no mês passado. Hoje a Comissão conta com um estagiário, responsável pela transcrição das entrevistas. Já os voluntários que atuam mais organicamente são professores e estudantes dos cursos de História e Arquivologia [a exemplo de Diorge e Glaucia Konrad] e a Assufsm.

Fidler ainda antecipa que os membros da Comissão terão audiência com o reitor Paulo Burmann para solicitar a prorrogação dos trabalhos da comissão por mais um ano. Quando instituído, o grupo deveria apresentar um relatório ao final de dois anos, período que se completa no próximo mês de junho. Contudo, o coordenador diz que ainda há personagens a serem ouvidos para que a história seja contada com mais riqueza de informações.

Seminário em maio

No próximo mês de maio, a Comissão da Verdade da UFSM organiza um seminário. Previsto para ocorrer no dia 24, o evento deve contar com a presença, também, de representantes das Comissões de outras universidades, a fim de partilharem suas experiências.

Texto: Bruna Homrich

Foto: Fritz R. Nunes

Assessoria de Imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2017 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet