Notícias

09/05/2017   09/05/2017 19h23 | A+ A- | 538 visualizações

Assembleia respalda construção de nova greve geral

Consulta eleitoral para a reitoria será destaque em assembleia na próxima sexta, 12


Assembleia também apresentou parecer do conselho fiscal aprovando as cotas da entidade

Reunida em assembleia geral na manhã dessa terça, dia 9, a categoria docente da UFSM seguiu a tônica das avaliações realizadas até o momento, no que toca a greve geral do dia 28 de abril: um movimento extremamente vitorioso e que precisa ser impulsionado e intensificado. E foram além. Para a assembleia, a derrubada das contrarreformas da previdência e trabalhista, e a revogação da lei da terceirização, passam, necessariamente, pela construção de uma nova – maior e mais longa – greve geral. “Nós entendemos a importância do momento, entendemos a importância do processo e entendemos a necessidade de uma agudização desse processo. E a greve geral mostrou que temos capacidade de fazer esse enfrentamento”, defendeu o tesoureiro-geral da Sedufsm, professor Carlos Alberto da Fonseca Pires, que ainda destacou a importância da Frente Combativa em Defesa do Serviço Público, fórum que tem congregado diversas categorias, entidades e movimentos, e tem cumprido papel fundamental na construção dessas mobilizações em Santa Maria.

Mas se a plenária dessa terça apresentou alguma convergência a respeito de uma nova greve geral, com pequenas discordâncias pontuais, o mesmo não tem ocorrido no cenário nacional. Isso porque a defesa de um novo movimento paredista, feita pela CSP-Conlutas e pela Intersindical, não tem encontrado eco entre as demais centrais sindicais. Frente a isso, segundo a assembleia, cabe o papel de debater e buscar a unidade, mas também de tomar a frente e ser protagonista nesse processo. “Nem a CSP-Conlutas e nem esse sindicato podem ficar reféns das estratégias das outras centrais. Nós temos que sinalizar que a nossa categoria vai puxar isso. Nós temos certeza da necessidade da luta e nós vamos lutar. Se mais gente quiser se somar, ótimo. Mas nós vamos fazer a nossa parte”, apontou o professor Adriano Figueiró.

O papel do Andes-SN

Baseado nessa concordância a respeito de uma nova greve geral e perante as divergências entre as centrais sindicais, em nível nacional, a assembleia dessa terça aprovou, como encaminhamento, que a posição da categoria docente da UFSM que será levada para a próxima reunião do setor das IFES do Andes-SN, defenda a construção de uma nova greve geral. E que o empenho na construção desse processo seja independente do posicionamento das outras centrais sindicais, trabalhando a hipótese, se preciso, de uma greve da categoria.

Comissão eleitoral

No ponto de pauta a respeito dos “assuntos gerais”, um dos temas levantados rendeu alguma discussão e um importante encaminhamento. No tópico, o professor Adriano Figueiró questionou a diretoria da Sedufsm a respeito da indicação de representantes da categoria para a composição da comissão que coordenará a consulta eleitoral para a reitoria da UFSM. Somando-se a essa questão, o professor Carlos Alberto da Fonseca Pires criticou a maneira como gradativamente a consulta eleitoral está sendo retirada das entidades representativas, historicamente responsáveis pelo processo.

Ao questionamento, o presidente da Sedufsm, professor Júlio Quevedo, respondeu que a indicação não foi feita pois está atrelada a um outro ponto, que trata do adiamento das eleições para os conselhos superiores da UFSM. Esse atraso, por sua vez, é o objeto de notificação do sindicato à reitoria, que cobra explicações a respeito da postergação dos mandatos e que ainda aguarda uma resposta oficial. Contudo, mesmo concordando com a indagação a respeito do adiamento das eleições para os conselhos, algumas foram as intervenções seguintes que destacaram a necessidade de ainda assim se indicar os nomes para a comissão eleitoral, e, também, de se colocar um prazo para a elucidação dessas dúvidas por parte da reitoria. Nesse sentido, foram encaminhadas três ações complementares. A primeira delas é a manifestação pública, seguida de encaminhamento formal, que reafirma o interesse da Sedufsm em contar com representantes da categoria na comissão eleitoral. A segunda é o agendamento de uma nova assembleia geral, marcada para a próxima sexta, dia 12, com primeira chamada às 9h30, no auditório B1 do prédio 17, e que terá como pauta a escolha de representantes da categoria docente para compor a comissão eleitoral. Por fim, o último encaminhamento trata de notificação formal que deve ser enviada à administração central da UFSM, informando o reitor a respeito da realização da assembleia e, em decorrência disso, pedindo a providência de explicações a respeito do adiamento nos conselhos superiores, tendo a própria data de sexta como referência. O serviço completo da assembleia dessa sexta é:

Data: 12 de maio de 2017

Horário: 9h30 primeira chamada; 10h segunda chamada

Local:  Auditório B1, prédio 17 (junto à Geociências)

Pautas:

            Informes;

            Processo sobre a renovação dos representantes nos Conselhos Superiores;

            Escolha dos representantes da categoria docente para a Comissão de Consulta para Reitor;

            Assuntos Gerais.

Informes

Ainda na abertura da assembleia, no ponto de pauta dos “  informes”, o presidente da Sedufsm, professor Júlio Quevedo, apresentou o parecer do Conselho Fiscal do sindicato, datado de 19 de abril de 2017, e no qual foram aprovadas todas as contas da entidade com algumas poucas sugestões. Além disso, o professor também anunciou a próxima edição do projeto Cultura na Sedufsm, que será realizada no dia 22 de maio, no auditório da Sedufsm, e terá como tema: “Combate às opressões – discutindo o sexismo, a homofobia e o racismo”.

Também nos informes, o segundo suplente da Sedufsm, professor Luciano Miranda, apresentou um relato do último encontro do setor das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) do Andes-SN, realizado em conjunto com o setor das Instituições Estaduais Superiores (IES) em Brasília no dia 19 de abril. Dessa reunião, além de discussões sobre a greve geral e todas as demais mobilizações do período, ficou definido que o novo encontro conjunto entre os setores será nos dias 12 e 13 de maio, na cidade do Rio de Janeiro. A respeito do local – já que usualmente os encontros são na sede do Andes-SN, em Brasília – o docente respondeu que os debates serão realizados na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), instituição que vive situação calamitosa, com parcelamento de salários e demissões, num protótipo do que infelizmente pode se estender para outras instituições.

Texto: Rafael Balbueno
Foto: Ivan Lautert
Assessoria de Imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2017 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet