ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

28/04/2020   28/04/20 10h05 | A+ A- | 408 visualizações

Advogados de servidores públicos apresentam notícia-crime contra Bolsonaro

Denúncia enviada ao STF argumenta sobre descumprimento do isolamento social por parte do Presidente


Descumprimento de isolamento social motiva notícia-crime contra presidente Bolsonaro

O Supremo Tribunal Federal (STF) terá que se manifestar sobre uma notícia-crime encaminhada no dia 17 de abril por advogados de diversos estados, integrantes do Coletivo Nacional de Advogados de Servidores Públicos (Cnasp) contra o Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

A notícia-crime, segundo Rodrigo Torelly, membro do Cnasp e da Assessoria Jurídica Nacional (AJN) do ANDES-SN, consiste numa comunicação, que pode ser feita por qualquer cidadão, informando as autoridades competentes a existência de um crime que está sendo praticado. “Por se tratar do presidente da República, a instância judicial competente para o recebimento dessa notícia-crime é o STF, porém, cabe à Procuradoria Geral da República (PGR) a investigação e decisão acerca do início de uma ação penal", explica.

Motivações

Em nota publicada, o Cnasp explica que o motivo da notícia-crime (Petição nº 8791) seria a insistente conduta de Bolsonaro em não cumprir às medidas de isolamento social orientadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo próprio Ministério da Saúde (MS), bem como o descumprimento dos Decretos nºs 40.550 e 40.583, editados pelo Governador do Distrito Federal (DF), que proíbem aglomerações durante o período da pandemia causada pela Covid-19.

A entidade destaca que o crime cometido pelo presidente está, em tese, definido no artigo 268, do Código Penal Brasileiro, e consiste em "Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”.

Para os advogados, Jair Bolsonaro, como qualquer cidadão comum, deve cumprir as medidas de prevenção à propagação do novo coronavírus do DF e não como vem agindo insistentemente, em visitas a estabelecimentos comerciais, sem o uso de máscara facial, se aproximando de pessoas e as cumprimentando e, ainda, promovendo aglomeração de pessoas em torno de si.

“Tais comportamentos não só potencializam a transmissão a Covid-19, como desestimulam o cumprimento pelos demais cidadãos das medidas de afastamento social estabelecidas pelos decretos em questão", diz a nota.

Tramitação

Caso a petição preencha os requisitos legais será encaminhada à Procuradoria Geral da República, a quem compete verificar se os fatos denunciados constituem crime, dando então início à ação penal correspondente, que nesta hipótese correrá junto ao próprio Supremo Tribunal Federal, em razão do foro privilegiado de que goza o presidente da República.

Texto: Fritz R. Nunes

Foto: EBC

Assessoria de imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet