ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

20/05/2020 | A+ A- | 158 visualizações

Centrais sindicais lançam campanha por renda, emprego e Fora Bolsonaro

CSP-Conlutas aposta na mobilização dos trabalhadores para derrubar o presidente e seus ataques


Veto de auxílio emergencial a diversas categorias de trabalhadores também é criticado

Dez centrais sindicais brasileiras lançaram, na última segunda-feira, 18, uma campanha pela saída do presidente Jair Bolsonaro. A avaliação é que a insatisfação com o governo de Bolsonaro vem crescendo devido à péssima postura do presidente ante a pandemia da Covid-19.

“Além dos ataques aos trabalhadores desde o início da gestão, agora, diante da pandemia da Covid-19, ao invés de tomar medidas rápidas e radicais de quarentena, minimiza a doença e coloca a vida da população em risco. É um genocida”, afirma o integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Atnágoras Lopes.

Uma das medidas cruéis do presidente e sua equipe econômica foi vetar o direito à verba emergencial de R$ 600 para extrativistas, assentados da reforma agrária, artesãos, profissionais da beleza (como cabeleireiros), ambulantes que comercializem alimentos, diaristas, garçons, guias de turismo, babás, motoristas de aplicativos, taxistas e catadores de recicláveis.

Atnágoras lembra que, desde a campanha eleitoral, Bolsonaro já tinha mostrado que governaria para banqueiros, grandes empresários, agronegócio e seguiria a cartilha ultraliberal de direita do presidente Donald Trump, dos Estados Unidos.

“Para os trabalhadores impôs o fim das aposentadorias, a retirada de direitos, a desregulamentação do trabalho na CLT (Consolidação das leis do Trabalho) e altas taxas de desemprego. Ainda podemos citar muito mais, como as privatizações, a destruição da Educação e Saúde públicas, os ataques ao meio ambiente, ao povos indígenas e quilombolas, entre outros”, disse.

Sem acreditar que o Congresso pode levar à frente um processo de impeachment, as centrais apostam na mobilização da classe trabalhadora para derrotar o governo. A aposta é que a mobilização repercuta e fomente manifestações populares.

Profissionais de toda a área da saúde vêm realizando protestos desde a semana passada. Entre as principais reivindicações estão melhores condições de trabalho, fornecimento de EPI’s (equipamentos de proteção individual) e testes do vírus para toda a categoria. Movimentos populares também começam a realizar protestos no Brasil. Na Colômbia, Chile, Equador, Guatemala, o povo também está começando a ir às ruas devido à incapacidade dos governos de lidarem com a onda de propagação da pandemia.

O objetivo é estender a campanha “Fora Bolsonaro” por todo o país espalhando um milhão de cartazes de norte a sul do Brasil, além de outras iniciativas.

A CSP-Conlutas já havia defendido no 1º de Maio unificado com a Intersindical – Instrumento de Luta o “Fora Bolsonaro”, não participando do ato das demais centrais por terem como convidados os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM) e Davi Alcolumbre (DEM), assim como Ciro Gomes e outros.

A CSP-Conlutas defende Fora Bolsonaro e Mourão, já!

 

Fonte e imagem: CSP-Conlutas

Edição: Bruna Homrich

Assessoria de Imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet