ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

11/09/2020   11/09/20 17h39 | A+ A- | 151 visualizações

Greve por reajuste salarial e carreira completa 15 anos

Depois de 100 dias, governo não aceitou incorporar GED e GEAD e criou o professor Associado


Greve iniciada em 5 de setembro de 2005 durou mais de 100 dias

Há 15 anos, no dia 5 de setembro de 2005, os docentes da UFSM entravam em greve por tempo indeterminado em conjunto com dezenas de outras Instituições Federais de Ensino (IFE). A assembleia que deliberou pelo movimento grevista ocorreu em 1º de setembro e contou com a presença de 137 professores (as), sendo que destes, apenas quatro votaram contrariamente e cinco se abstiveram. Foi a segunda greve ainda no primeiro mandato do governo Lula (PT). A primeira tinha ocorrido em 2003 e fora contra a Reforma da Previdência.

Na pauta de reivindicações, os pontos principais tratavam da questão salarial, com a reivindicação de que fossem incorporadas gratificações de estímulo à docência, tais como a GED e a GEAD, a estruturação de um novo plano de carreira, bem como um reajuste linear de 18%. A concessão por parte do governo Lula de 0,1% de reajuste salarial, apenas para driblar a Constituição Federal, acabou por insuflar o movimento paredista.

Além dos pontos citados, a luta por mais recursos para as IFE era uma bandeira presente. Conforme o então diretor da Regional RS do ANDES-SN, Luiz Henrique Schuch, que esteve na plenária da UFSM de 1º de setembro: “Do jeito que está, segundo a própria ANDIFES, o próximo passo poderá ser o de falência das universidades federais”.

Votação na plenária do dia 1º de setembro


O movimento grevista durou mais de 100 dias, sendo encerrado no dia 19 de dezembro de 2005, em função de que o governo havia dado por encerradas as negociações. Não foram atendidas as reivindicações de incorporação das gratificações e, o governo, sem ouvir os grevistas, implantou a criação na carreira do ‘professor Associado’, o que trouxe ganhos salariais para parte da categoria, mas prejudicou os docentes aposentados na condição de Adjunto IV, que não tinham mais como progredir até Associado.

Um dos docentes presentes à assembleia do dia 12 de dezembro, que deliberou pelo término da greve, professor João Carlos Gilli Martins (atual vice-presidente da Sedufsm), avaliara o resultado da luta da seguinte forma:

- É preciso enfatizar que a greve foi vitoriosa. Quando ela iniciou, o governo estava destinando R$ 300 milhões para ampliar os salários. Com a força do movimento, esses valores subiram para R$ 500 milhões e acabaram chegando a R$ 650 milhões.

Entretanto, em que pese a análise positiva, Gilli ressaltara que o Ministério da Educação tinha uma lógica que apontava para uma “privatização marrom”, na medida em que não respeitara princípios básicos como o da isonomia e da paridade.

 

Texto: Fritz R. Nunes com informações de Arquivo

Fotos: Arquivo/Sedufsm

Assessoria de imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet