MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Sindicato

ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que, desde o dia 23 de março de 2020, em função da pandemia, a sede do sindicato está fechada e os atendimentos sendo realizados de forma remota. Os (as) sindicalizados (as) podem entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou pelos telefones (55) 99962-2248 e (55) 99935-8017.


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

01/10/2020   01/10/20 14h32 | A+ A- | 485 visualizações

De Camobi a T. Neves: carreata denuncia Reforma Administrativa

Manifestação integrou Dia Nacional de Luta contra a Reforma


Sedufsm, junto a outros sindicatos, esteve presente na manifestação

Uma carreata percorreu Santa Maria praticamente de ponta a ponta na tarde da última quarta-feira, 30 de setembro. Saindo da Avenida Roraima – campus da UFSM em Camobi -, os carros dirigiram-se até o centro da cidade, de onde, posteriormente, partiram rumo aos bairros Tancredo Neves e Santa Marta.

Assim como em diversas outras cidades pelo país, que também registraram mobilizações na mesma data, o mote da carreata era o repúdio à Reforma Administrativa de Bolsonaro, Mourão e Guedes.

Maristela Souza, diretora da Sedufsm presente à atividade, lembrou que a luta contra a reforma precisa ser abraçada por toda a população, tendo sido esse o intuito principal da manifestação: sensibilizar a comunidade para que fortaleça a luta em defesa dos serviços públicos.

“O serviço público é responsável por manter um mínimo de dignidade para uma grande parcela da população brasileira. O Estado tem esse compromisso e isso não sai de graça para a população. A luta pelo serviço público, que está extremamente comprometido na Reforma Administrativa de Bolsonaro e Guedes, não é só do servidor público. É uma luta que vai para muito além de manter os nossos salários e direitos, que são importantes, mas é por manter o serviço público. E nós, servidores públicos, não vamos conseguir emplacar essa luta e termos bons resultados sozinhos. Nós precisamos da comunidade. Nosso patrimônio público, conquistado com tanto mérito nas lutas que efetivamos como classe trabalhadora, além de não ser ampliado e fortalecido nos últimos tempos, está correndo sérios riscos”, comenta a dirigente.

Um dos malefícios da reforma apontado por Maristela é a facilitação de uma relação promíscua entre o setor público e privado, entre os interesses da população e os interesses de um grupo político. Ao criar cargos que não dependem de concurso para ingressar no serviço público, por exemplo, a reforma abre espaço para indicações políticas e situações de corrupção.

“Quando se tem alguma situação de corrupção no setor público, é vinda de uma relação promíscua entre público e privado. Os funcionários, sem estabilidade, estarão mais suscetíveis ao adoecimento e à flexibilização. Haverá um ir e vir de pessoas dentro do setor público, que não terá essa organicidade que temos hoje. Agora na pandemia estamos vendo que quem está segurando as pontas do Brasil é o setor público, inclusive fazendo vários enfrentamentos com o governo, como na questão ambiental”, complementa a docente.

Estiveram presentes na carreata da quinta-feira as seguintes entidades: Sedufsm, Assufsm, Atens, Sinprosm, Cpers, Sintect-Sma, CSP-Conlutas, Intersindical e Assentamento Madre Terra.

Texto e fotos: Bruna Homrich

Assessoria de Imprensa da Sedufsm

 

 

 

 



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041