MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Sindicato

ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que, desde o dia 23 de março de 2020, em função da pandemia, a sede do sindicato está fechada e os atendimentos sendo realizados de forma remota. Os (as) sindicalizados (as) podem entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou pelos telefones (55) 99962-2248 e (55) 99935-8017.


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

28/01/2021   28/01/21 16h44 | A+ A- | 366 visualizações

Ministro ameaça servidor com dois anos de congelamento salarial

Paulo Guedes diz a banqueiros que se pandemia agravar, funcionalismo pagará a conta


Guedes e Bolsonaro querem funcionalismo arcando com desleixo do governo no combate à pandemia

Paulo Guedes, ministro da Economia, disse nesta última terça, 26, durante evento on-line promovido pelo banco Credit Suisse, que no caso de ocorrer um agravamento da pandemia de Covid-19, os servidores deixarão de obter salarial reajuste também em 2022, totalizando, assim, dois anos, já que até o final de 2021 há uma lei vigente, aprovada ano passado pelo Congresso Nacional, que veda qualquer reposição nos vencimentos.

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro disse que um aumento do número de mortes por Covid-19 justificaria a implementação de um "estado de guerra", que envolve o congelamento dos salários do funcionalismo, entre outras medidas de contenção de gastos. Conforme Guedes, no caso de aumento de mortes pelo novo coronavírus, o que, aliás, já vem ocorrendo, e falhas na entrega das vacinas (o que também vem ocorrendo), o protocolo de crise seria acionado. Já tramita na Câmara, por exemplo, a PEC 186/19, que prevê redução de jornada e salário de servidores públicos em até 25%.

Apesar dessa declaração, Paulo Guedes reforçou, segundo o jornal ‘Extra’, que o governo está empenhado em garantir a vacinação para toda a população, e que "com a vacinação em massa ocorrendo, o país volta à normalidade". Na ótica do ministro da Economia, a volta da normalidade significa a retomada das discussões sobre as reformas no Congresso, incluindo a reforma administrativa, que propõe não apenas a retirada de direitos do funcionalismo, mas também desestrutura os serviços públicos em todos os níveis.

A área econômica do governo Bolsonaro, com o apoio de parte significativa do Congresso Nacional, e mais os meios de comunicação, têm usado o discurso que, diante da crise econômica, mesmo antes da pandemia, a solução só se dará mediante reformas neoliberais, ou seja, que privatizem o patrimônio público e, ao mesmo tempo, esvaziem as políticas sociais.


Texto: Fritz R. Nunes com informações do jornal ‘Extra’.
Foto:EBC
Assessoria de imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041