MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Sindicato

ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que desde o dia 20 de outubro de 2021 recomeçou o atendimento presencial na sede. Os (as) sindicalizados (as) devem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo fone (55) 3222.5765 para fazer o agendamento da ida à sede.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Reflexões Docentes

A+ | A-

O cochicho de Popper

01/03/2021

José Renato da Silveira
Professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais

O meu rosto não era mais o mesmo, “assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo” (Cecília Meireles). Enquanto ouvia artifícios verbais, elucubrações vazias, risos frenéticos e um ar misto de espanto, perplexidade e deboche... o pacto da mediocridade foi me envolvendo, me entorpecendo, me nauseando... Tentei fugir. E fugi por alguns instantes... O meu pensamento se afastou dali. Naquele voo do pensamento atrás de paz e conforto espiritual, veio a imagem daquele homem sereno e sorridente. Ele se aproximou de mim e cochichou no meu ouvido: “A história da ciência, como a de todas as ideias humanas, é uma história de sonhos irresponsáveis, obstáculos e erros. No entanto, a ciência é uma das poucas atividades humanas – talvez a única – em que os erros são criticados de forma sistemática e muitas vezes, ao longo do tempo, corrigidos”.

O homem que cochichou era Kark Popper. Popper destaca-se como um dos principais pensadores do século XX no que tange ao centro da filosofia do conhecimento conhecida como racionalismo crítico.

Popper enfatiza a conjectura considerada como forma de adquirir conhecimento, e a crítica, considerada como forma de controlá-lo.

O professor e filósofo austro-britânico afirma que o conhecimento evolui em uma sequência de conjecturas e refutações, de soluções provisórias dos problemas, submetidas a testes rigorosos, feitos sem concessões. Vale destacar que no racionalismo crítico, nosso conhecimento não tem bases seguras: fica mais livremente no ar do que assentado em alicerces sólidos. “Nossa ignorância é preocupante e ilimitada (...) a cada passo que avançamos, a cada problema que resolvemos, não apenas descobrimos novos problemas não solucionados como também descobrimos que ali onde acreditávamos pisar em terreno firme e seguro, tudo não é verdade, é inseguro e fluido” (Karl Popper).

Nesse sentido, Popper acredita que a colaboração, a intersubjetividade e o caráter público do método desempenham papeis fundamentais na crítica científica e no avanço da ciência. Ou seja, métodos de ensaios e erro, de invenção de hipóteses passíveis de serem testadas. Devemos lembrar que a objetividade e a racionalidade da ciência encontram-se não só nas mãos de cientistas individuais, mas nas de cientistas imersos em uma comunidade científica.

A necessidade da crítica, em particular, tem um caráter irremediavelmente social, pois, em geral, somos tão cegos para as nossas falhas quanto somos atentos para as dos outros. Assim sendo, precisamos reconhecer que raras vezes estamos corretos; quando estamos, não precisamos saber. 

 




Compartilhe com sua rede social


© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041