MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Cartilha sobre a PEC 32


ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que desde o dia 20 de outubro de 2021 recomeçou o atendimento presencial na sede. Os (as) sindicalizados (as) devem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo fone (55) 3222.5765 para fazer o agendamento da ida à sede.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

24/02/2015   24/02/2015 11h56m   | A+ A- |   334 visualizações

CSP-Conlutas: unidade será com quem enfrenta o governo

Sindicalista diz que greve dos servidores ainda está em construção

Paulo Barela, da CSP-Conlutas: mobilizações de março serão termômetro para uma greve
Paulo Barela, da CSP-Conlutas: mobilizações de março serão termômetro para uma greve

Uma das palavras mais ouvidas recentemente em diversos setores do sindicalismo é “unidade”. Mas, como construir essa unidade diante de pontos de vista tão díspares? Em entrevista à assessoria de imprensa da Sedufsm, ainda no primeiro dia do 34º Congresso do ANDES-SN, Paulo Barela, que faz parte da coordenação da CSP-Conlutas, disse que a unidade se dará com aqueles setores que efetivamente querem enfrentar a política econômica do governo que ataca os trabalhadores, gerando demissões e redução de direitos.

Barela afirma que a busca de ações unitárias vem sendo construída no espaço ‘Unidade de Ação’, que congrega todas aquelas organizações que não concordam com o atrelamento sindical ao governo e estão dispostas a lutar, e também no Fórum das Entidades de Servidores Federais. O dirigente da CSP-Conlutas diz que seria importante que outras centrais sindicais como a CUT, Força Sindical, CTB, participassem da organização das atividades que exigem, por exemplo, a derrubada de medidas provisórias (MPs 664 e 665) que reduzem direitos dos trabalhadores. No entanto, “não vamos ficar esperando pelas centrais”, frisa Barela.

O representante da CSP-Conlutas cita como exemplo importante de resistência frente às medidas de cortes do ajuste fiscal, o que vem acontecendo com os trabalhadores da General Motors de São Paulo. Em função da demissão de aproximadamente 800 trabalhadores, o sindicato lidera a campanha “Demitiu, parou”. Ou seja, enquanto não forem suspensas as demissões, os trabalhadores se mantêm em greve.

Servidores e a greve

Perguntado se a greve é iminente no serviço público federal, Paulo Barela respondeu que o debate sobre a possibilidade de um movimento paredista vem sendo feito junto ao Fórum Nacional de Entidades de Servidores, mas que o processo ainda está em construção.

Conforme o dirigente da CSP-Conlutas, a mobilização prevista para o mês de março indicará a temperatura na disposição à luta por parte do funcionalismo. A jornada com marchas e acampamentos nos dias 7, 8 e 9 de março, em Brasília, dará uma mostra se a greve é uma possibilidade concreta. Barela diz que no entendimento da central sindical, um movimento grevista é necessário, pois não acreditam que o governo recuará na política de cortes, que afeta os trabalhadores em todos os setores.

Texto: Fritz R. Nunes

Foto: Bruna Homrich

Assessoria de imprensa da Sedufsm

Fotos da Notícia

Paulo Barela, da CSP-Conlutas: mobilizações de março serão termômetro para uma greve

Compartilhe com sua rede social


© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041