MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Cartilha sobre a PEC 32


ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que desde o dia 20 de outubro de 2021 recomeçou o atendimento presencial na sede. Os (as) sindicalizados (as) devem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo fone (55) 3222.5765 para fazer o agendamento da ida à sede.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

16/12/2020   16/12/2020 16h24m   | A+ A- |   1150 visualizações

Questionada suspensão da contagem do tempo de serviço para concessão de adicionais até 2021

ADI 6223, ajuizada no STF pelo Solidariedade, tem a relatoria do ministro Alexandre de Moraes

Alexandre de Moraes é o relator da ação do 'Solidariedade' e de outras com o mesmo teor, no STF
Alexandre de Moraes é o relator da ação do 'Solidariedade' e de outras com o mesmo teor, no STF

Uma nova ação judicial está questionando a lei que suspende a contagem do tempo de serviço para concessão de adicionais até o fim de 2021. A iniciativa mais recente foi do partido ‘Solidariedade’, que ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6623, contra dispositivo da Lei Complementar 173/2020.

Esse dispositivo, ao instituir o Programa Federativo de Enfrentamento à Covid-19, suspendeu a contagem do período aquisitivo de anuênios, triênios, quinquênios, licenças-prêmio e demais mecanismos equivalentes dos servidores públicos federais, estaduais, distritais e municipais entre o período de 28 de maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021.

A sigla alega que o inciso IX do artigo 8º da norma, afronta a autonomia política dos entes federados, pois uma lei complementar federal não poderia atingir a esfera jurídica estadual e municipal de forma direta e compulsória. Sustenta, ainda, a ADI, que o dispositivo viola o princípio da isonomia, pois diferencia os servidores públicos estatutários das demais categorias profissionais, e afronta os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, entre outros motivos, pelo fato de os servidores estarem em efetivo exercício e trabalhando regularmente, seja de forma remota, presencial ou mista.

Ainda de acordo com o partido, o dispositivo, de iniciativa parlamentar, viola a competência privativa do chefe do Poder Executivo para propositura de leis sobre criação de cargos, remuneração, regime jurídico, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria dos servidores públicos.

A Ação, com pedido de liminar, foi distribuída ao ministro Alexandre de Moraes, relator de outras ações que questionam a mesma lei.

 

Fonte: Wagner Advogados

Foto: EBC

Edição: Fritz R.  Nunes (Sedufsm)

Fotos da Notícia

Alexandre de Moraes é o relator da ação do 'Solidariedade' e de outras com o mesmo teor, no STF

Compartilhe com sua rede social


© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041