MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Cartilha sobre a PEC 32


ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que desde o dia 20 de outubro de 2021 recomeçou o atendimento presencial na sede. Os (as) sindicalizados (as) devem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo fone (55) 3222.5765 para fazer o agendamento da ida à sede.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

20/08/2021   20/08/2021 19h07m   | A+ A- |   641 visualizações

Detecção da variante Delta em Santa Maria traz novo sinal de alerta

Marcos Lobato diz que, se variante ocasionar metade das internações e óbitos registrados nos primeiros meses deste ano, situação já será grave

Orientação médica é de que, ao menor sinal associado à Covid-19, faça-se o teste. Na cidade, 26 locais públicos oferecem testes PCR.
Orientação médica é de que, ao menor sinal associado à Covid-19, faça-se o teste. Na cidade, 26 locais públicos oferecem testes PCR.

Recentemente, quatro casos da variante delta foram confirmados em Santa Maria. No mundo todo, essa nova cepa de vírus tem gerado sinais de alerta, novas ondas de lotação em hospitais, endurecimento das medidas restritivas de convívio e pesquisas referentes a uma possível terceira dose de reforço das vacinas. Em entrevista à Assessoria de Imprensa da Sedufsm, o médico e professor da UFSM, Marcos Lobato, explicou que as preocupações justificam-se pelo fato de a nova variante ser muito mais transmissível que as anteriores.

“A variante delta tem uma capacidade de transmissão muito maior que a variante original - em torno de três vezes. É pelo menos 50 por cento mais transmissível que a variante P1, ou Gama. Isso significa que, com a chegada da variante delta, podemos ter um crescimento muito mais rápido de casos e isso acabar causando grandes problemas no acesso aos serviços de saúde. Essa é a maior preocupação”, diz Lobato, ressaltando que, embora não existam evidências científicas que apontem para uma maior letalidade desta cepa, o fato de ela ser mais transmissível leva a que mais pessoas contaminem-se num curto período de tempo e, consequentemente, a que uma nova onda de internações e óbitos ocorra.

E, mesmo que, devido ao avanço da vacinação, Santa Maria não volte a registrar um cenário tão desesperador quanto o observado nos meses de março a maio de 2021, se a variante delta levar a cidade a uma fração do que foi aquele período, a situação já será grave. “Se tivermos metade do número de casos, a gente terá ainda assim um número muito alto de óbitos e internações”, alerta o médico.

Contudo, ele também salienta: em outras partes do mundo nas quais a variante delta chegou com mais antecedência, o aumento do número de contagiados não ocorreu na mesma proporção que o aumento do número de internações e óbitos. Nos Estados Unidos, cita o docente, as pessoas que estão internando e morrendo em maior proporção são aquelas que optaram por não se vacinar.

A esperança da vacina

Lobato cita que, tanto no Rio Grande do Sul quanto em Santa Maria, a cobertura vacinal já chega perto de 100% para aquelas pessoas pertencentes aos grupos de maior risco.

“Sem dúvida a vacinação é a coisa mais importante que temos. Para o Brasil, tem sido a grande tábua de salvação. É o que está segurando os óbitos e as internações. Vacina é o que está nos salvando. Vacina é o que vai resolver a pandemia. Não foi e não será nenhum tratamento precoce. Aquilo foi um engodo e só piorou a pandemia. O número de casos só diminuiu depois de termos aumentado a cobertura vacinal", pondera, associando a redução das internações e óbitos em Santa Maria ao processo de imunização.

Contudo, ainda que a vacina (com as duas doses) seja bastante eficaz contra a delta, o alto potencial de contágio da nova variante leva a que seja necessária uma rápida detecção dos novos casos. E, neste sentido, a recomendação médica tem sido a rápida testagem. Ou seja: ao menor sintoma que possa ser associado à Covid-19, deve-se procurar um local que realize o teste. A delta vem ficando conhecida por apresentar sintomas semelhantes aos de uma gripe, a exemplo de coriza, ardência na garganta e dor de cabeça.

Lobato diferencia o teste-rápido e o PCR. Ambos são importantes, mas é preciso ter alguns cuidados.

“Por mais rápido que possamos fazer, os PCRs demoram até 3 dias para retornarem com a resposta. O teste-rápido nos ajuda a detectar o caso rapidamente, e a tomarmos as medidas de restrição e isolamento dessas pessoas com mais facilidade”, explica, informando que o município deve receber uma boa quantidade de testes, já que, além dos que ele próprio comprou, virão remessas dos governos estadual e federal.

“Daí é possível sim garantirmos uma boa quantidade de testes para fazermos as triagens. O problema é o uso adequado desses testes. A gente não pode fazer teste-rápido em suspeitos que estão assintomáticos, porque ele é muito ruim para detecar o vírus em pessoas sem sintomas. Então, quem está sem sintomas e quer testar porque teve contato com alguém [infectado], tem que fazer o teste de PCR. O teste rápido não pega o vírus com essa sensibilidade toda”, esclarece Lobato.

E, se uma pessoa sintomática realizou o teste-rápido e recebeu um resultado negativo, deve realizar um teste PCR para confirmar o diagnóstico. “O teste-rápido não descarta nenhuma doença. Ele só é válido quando dá positivo. Quando dá negativo, ele tem muito erro”, orienta o médico.  

Onde testar em Santa Maria

A Prefeitura Municipal divulgou a listagem dos locais públicos disponíveis para realização dos testes PCR da Covid-19. Ao todo, são 26 locais - sendo 25 unidades de saúde e o Centro de Referência Municipal da Covid-19.Veja abaixo:

Centro de Referência Municipal da Covid-19

- Atendimentos: de segunda a sexta-feira, das 8h ao meio-dia e das 13h30min às 18h
- Coletas de exames: de segunda-feira a sábado, das 8h30min às 11h15min, e de segunda a sexta-feira, das 13h30min às 17h30min
Rua Conrado Hoffmann, 277, Bairro Nossa Senhora de Lourdes
Fones: (55) 3220-0390 e (55) 99128-9893 (somente WhastApp)

Região Oeste

ESF Roberto Binato
- De segunda a sexta-feira, das 10h30min às 11h30min

UBS Floriano Rocha (Bairro Juscelino Kubitschek)
- Sextas-feiras, das 7h30min às 10h

ESF Alto da Boa Vista
- Quintas-feiras, às 10h

ESF Vitor Hoffmann (Vila Rossi)
- Quartas-feiras, das 8h30min às 9h30min

ESF Parque Pinheiro Machado
- Quintas-feiras, das 11h às 11h40min

UBS Ruben Noal (Bairro Tancredo Neves)
- Terças-feiras, das 8h ao meio-dia
- Quintas-feiras, das 13h às 15h

Região Norte

UBS Kennedy
- Terças e quintas-feiras, das 8h30min às 11h

UBS Joy Betts (Bairro Perpétuo Socorro)
- Terças-feiras, das 9h às 11h

ESF Bela União
- Terças-feiras, das 14h às 16h30min
- Quintas-feiras, das 10h às 11h30min

Região Nordeste

ESF Itararé
- Quintas-feiras, das 13h30min às 15h30min

UBS Waldir Mozzaquatro
- Quartas-feiras, das 9h às 11h

Região Centro

Policlínica José Erasmo Crossetti
- De segunda a sexta-feira, das 8h ao meio-dia e das 13h às 15h

ESF Lídia
- Segundas-feiras, das 16h às 17h
- Terças e quartas-feiras, das 11h ao meio-dia

UBS Centro Social Urbano
- Terças e quintas-feiras, das 13h às 14h

UBS Dom Antônio Reis
- Quartas-feiras, das 9h às 10h

Região Leste

UBS Wilson Paulo Noal
- Segundas e quintas-feiras, das 17h às 19h

ESF São José
- Segundas-feiras, das 13h30min às 14h30min
- Quintas-feiras, das 8h30min às 9h30min

ESF São Francisco (Bairro Diácono João Luiz Pozzobon)
- Segundas-feiras, das 14h às 16h
- Quartas e sextas-feiras, das 10h às 11h30min

ESF Maringá (Bairro Diácono João Luiz Pozzobon)
- Pela manhã, conforme demanda

Região Sul

ESF Urlândia
- Segundas e quintas-feiras, das 10h às 11h

ESF Passo das Tropas
- Segundas e quartas-feiras, das 17h às 19h

ESF Santo Antão
- Pela manhã, conforme demanda

ESF São João
- Quintas-feiras, às 14h

UBS Felício Bastos, distrito de Boca do Monte
- Segundas, quartas e sextas-feiras, das 11h às 11h45min

ESF Oneyde de Carvalho
- Exames em gestantes, conforme agendamento

Ocupação de leitos UTI em Santa Maria

Conforme divulgado na edição impressa do Diário de Santa Maria do dia 19 de agosto, a situação dos hospitais da cidade, no que tange à ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva, é a seguinte:

HOSPITAL REGIONAL: 10 dos 38 leitos ocupados (taxa de ocupação em 26,3%)

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUSM): 21 dos 34 leitos ocupados (taxa de ocupação em 61,8%)

COMPLEXO HOSPITALAR ASTROGILDO DE AZEVEDO: 42 dos 60 leitos ocupados (taxa de ocupação em 70%)

SÃO FRANCISCO: 3 dos 10 leitos ocupados (taxa de ocupação em 30%)

Os hospitais da Unimed, Casa de Saúde, Brigada Militar e Base Aérea estavam, até às 17h da quarta-feira (18), com todos os leitos liberados. 

Delta no Rio Grande do Sul 

Até a última quinta, 19, a Secretaria Estadual de Saúde havia confirmado 66 pessoas contaminadas com a variante delta no estado, além de outras 95 suspeitas que aguardavam resultado dos testes. Porto Alegre, em cujo Hospital Conceição recentemente verificou-se um surto de Covid-19, já confirmou transmissão comunitária da nova variante. 

Aumento da SRAG

Junto ao aumento de casos da variante delta, a nova edição do Boletim InfoGripe aponta aumento nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em várias regiões do país. Tais dados evidenciam, segundo o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, que é necessário ter cautela no momento de flexibilizar as medidas de distanciamento social nos estados e municípios. Acesse o boletim na íntegra aqui

 

Texto: Bruna Homrich

Imagem: Agência Brasil

Assessoria de Imprensa da Sedufsm

 

 

Fotos da Notícia

Orientação médica é de que, ao menor sinal associado à Covid-19, faça-se o teste. Na cidade, 26 locais públicos oferecem testes PCR.

Compartilhe com sua rede social


© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041