MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Cartilha sobre a PEC 32


ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que desde o dia 20 de outubro de 2021 recomeçou o atendimento presencial na sede. Os (as) sindicalizados (as) devem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo fone (55) 3222.5765 para fazer o agendamento da ida à sede.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

06/12/2021   07/12/2021 10h47m   | A+ A- |   184 visualizações

Ensino remoto trouxe impactos severos às pessoas com deficiência, diz docente

52 Ponto de Pauta entrevistou Eliana Menezes, do departamento de Educação Especial da UFSM


Se o ensino remoto demandado pela pandemia – e, de forma geral, imposto às comunidades acadêmicas e escolares sem ou com pouquíssimo debate – trouxe impactos para os estudantes e servidores, tais desdobramentos foram ainda mais duros aos e às pessoas com deficiência.

Isso porque o Brasil vinha numa crescente elaboração de políticas públicas que levassem a uma maior autonomia e inclusão dos e das estudantes com deficiências nos espaços comuns da escola. A suspensão da presencialidade, então, representou um obstáculo à continuidade de tais políticas. Quem traz essa análise é Eliana Menezes, docente do Departamento de Educação Especial da UFSM e entrevistada da 52ª edição do Ponto de Pauta, que teve como tema “2021 na luta das pessoas com deficiência”.

Esse é o primeiro de uma série de quatro programas de entrevistas destinados  a realizarem uma breve avaliação de como este ano que em breve encerra foi marcado pelas lutas das minorias sociais – a exemplo das mulheres, dos e das lgbtqia+ e das pessoas com deficiência. Além disso, um balanço sobre as mobilizações e embates travados pela categoria docente também está no horizonte.

“Olhando para essa produção enfática de políticas que possibilitem que os alunos com deficiência estejam no espaço comum de ensino, e pensando nos efeitos do ensino remoto, que impossibilita a estada dos alunos na escola e o contato direto com professores e colegas, me parece que os efeitos [no sentido dos danos] foram bem significativos”, explica a entrevistada.

“Vínhamos cotidianamente pensando sobre como potencializar, qualificar e intensificar aquilo que ajuda e favorece o processo de aprendizagem e desenvolvimento dos alunos. E pensamos que esse processo foi cortado, impedido de ser continuado da forma como vínhamos fazendo na presencialidade, e tivemos que começar um novo processo, que foi o processo de aprender como nos relacionarmos em termos educacionais via ensino remoto, considerando as barreiras que o ensino remoto tem encontrado no sentido do acesso, dos recursos, das mediações em casa. É uma série de coisas que precisam ser singularizadas: em que condições cada aluno com deficiência que frequenta a escola viveu e tem vivido esse momento todo?”, questiona Eliana.

Assista o programa na íntegra abaixo ou em nosso canal do Youtube:

Fotos da Notícia

Compartilhe com sua rede social


© 2022 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041