Professores da UFSM paralisam nesta sexta, 14 SVG: calendario Publicada em
SVG: atualizacao Atualizada em 01/07/19 17h22m
SVG: views 3199 Visualizações

Decisão foi tomada por assembleias realizadas em todos os campi da universidade

Alt da imagem
Greve Geral é contra Reforma da Previdência e cortes na Educação

Nesta sexta-feira, 14 de junho, dia de Greve Geral no país, os/as docentes de todos os campi da UFSM estarão resguardados por suas respectivas assembleias para aderirem à paralisação.

O primeiro campi a decidir pela adesão à Greve foi o de Cachoeira do Sul; na sequência, no dia 4, foi a vez de os/as docentes do campus sede deliberarem pela paralisação de 24h em adesão ao movimento; já no último dia 6, docentes da UFSM em Palmeira das Missões e Frederico Westphalen também votaram pela participação da categoria na Greve Geral.

A motivação central que levará docentes de todos os campi da UFSM a aderirem à paralisação é a contrariedade ao projeto de Reforma da Previdência, abraçado como prioritário pelo governo Bolsonaro. Na avaliação da Sedufsm, do ANDES-SN e da CSP-Conlutas, central sindical à qual o Sindicato Nacional docente é filiado, a Reforma representa a destruição do sistema previdenciário brasileiro, praticamente inviabilizando a possibilidade de os/as trabalhadores/as se aposentarem, além de terminar com o regime de solidariedade geracional [em que os mais jovens contribuem para os mais velhos, e assim por diante] e entregar nas mãos flutuantes do mercado financeiro, através do regime de capitalização, as contribuições dos/as trabalhadores/as.

Outro eixo central da mobilização desta sexta é o repúdio ao corte de verbas na Educação, que vem fragilizando universidades e ocasionando cortes de verbas de bolsas de pesquisa. A exemplo dos últimos dias 15 e 30 de maio, quando Santa Maria levou milhares às ruas em defesa da Educação e da Previdência públicas, o objetivo é que a Greve Geral desta sexta mobilize muito mais pessoas e paralise diversos setores da economia local.

Mobilização na UFSM

A Sedufsm vem participando, junto às demais entidades representativas dos segmentos da UFSM [Diretório Central dos estudantes; Associação de Pós-Graduandos; Assufsm e Atens], do Comando de Mobilização, que vem se reunindo no lonão instalado em frente ao prédio do Centro de Ciências Naturais e Exatas [CCNE]. Na tarde da última terça-feira, 11, o Comando esteve reunido para discutir últimos detalhes da mobilização para esta sexta.

Sexta, em Santa Maria: concentração às 16h na praça

Além de planejar as ações de resistência na UFSM, a Sedufsm também integra a Frente Única de Trabalhadoras e Trabalhadores de Santa Maria [FUTT], que organiza, junto a sindicatos e setores de fora da universidade, os protestos no centro da cidade. Nesta sexta, 14, a concentração tem início a partir das 16h na praça Saldanha Marinho.

 

Texto: Bruna Homrich

Foto: Fernanda Brusius

Assessoria de Imprensa da Sedufsm

SVG: camera Galeria de fotos na notícia

Carregando...

SVG: jornal Notícias Relacionadas

Sedufsm convoca assembleia para a próxima quinta, 10 de fevereiro

SVG: calendario 04/02/2022
SVG: tag Reforma da Previdência
Deliberação sobre greve unificada do funcionalismo está na pauta

Previdência do servidor sofre novas alterações em 2021

SVG: calendario 06/01/2021
SVG: tag Reforma da Previdência
Regra de transição exigirá, no mínimo, 98 pontos para homens e 88 para mulheres

Novas alíquotas previdenciárias passam a valer a partir de 1º março

SVG: calendario 07/02/2020
SVG: tag Reforma da Previdência
Andes cria calculadora para que docentes conheçam o impacto em seus vencimentos

Veja todas as notícias