ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Reflexões docentes

A economia brasileira pós-pandemia

10/09/2020

Daniel Arruda Coronel
Professor do departamento de Economia e Relações Internacionais. - UFSM

Daniel Arruda Coronel[1]

Nelson Guilherme Machado Pinto[2]

Leonardo Sangoi Copetti[3]

Gustavo de Souza Carvalho[4]


A economia brasileira está em um processo de recessão diante do contexto de um cenário imposto pelo Covid-19. A partir disso, as perspectivas futuras não são nada auspiciosas, visto que a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020 é de retração de aproximadamente 10% conforme órgãos governamentais e consultorias independentes.

As ações para enfrentar a crise passam necessariamente por medidas de cunho keynesiano como o aumento do gasto público, a defesa do emprego e da renda e políticas de transferência de renda para os mais vulneráveis, visando não ter um efeito multiplicador negativo.

Não obstante a isso, é preciso projetar estratégias e ações no pós-pandemia, visto que o processo de desindustrialização continua aumentando, as taxas de desemprego atingiram o maior número dos últimos anos, observou-se aumento do endividamento e da inadimplência, além do crescimento das disparidades econômicas e sociais.

A variável-chave no pós-pandemia é o investimento, o qual possibilitará as condições necessárias para o crescimento. Contudo, para isso, o governo precisa de recursos, os quais não tem, e ainda há a Lei de Teto dos Gastos, aprovada em 2016, que limita o aumento das despesas públicas.

Neste contexto, o governo tem um desafio a ser solucionado, pois, se optar por não flexibilizar a Lei do Teto de Gastos, continuará sinalizando ao mercado e ao rentismo sua preocupação com o controle das finanças públicas, mas não poderá fazer nada de concreto para fomentar o crescimento. Contudo, se flexibilizar a Lei do Teto de Gastos públicos, juntamente com um processo de reforma tributária, terá os recursos para infraestrutura, inovação tecnológica e educação, aos quais, mais do que nunca, a sociedade está dando o valor que merece, bem como sinaliza ao mercado que este gasto é transitório, ou seja, apenas para gerar as condições para o crescimento em termos de infraestrutura e logística, pois, sem isso, o processo de recessão se perpetuará por um longo período, levando a Economia Brasileira a um ocaso. Aliado a isso, adiciona-se um contexto de instabilidade políticas entre membros dos três poderes do país e também das três esferas do executivo federal.

Enfim, o governo tem um dilema, ou seja, atender ao rentismo e ao capital especulativo ou aos interesses da população. “Decifra-me ou te devoro” era o desafio da Esfinge de Tebas, na mitologia grega, que perguntava aos homens o seguinte: "Que criatura tem quatro pés de manhã, dois ao meio-dia e três à tarde?” Todos que responderam erraram e foram devorados, à exceção de Édipo, que respondeu: “O homem, pois engatinha enquanto bebê, anda sobre dois pés quando adulto e recorre a uma bengala na velhice”. A resposta do governo brasileiro ao enigma fiscal só virá nos próximos capítulos, oxalá para que não seja tarde e a sociedade não tenha ainda sido devorada pela inépcia.

 

[1] Professor Associado do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Bolsista de Produtividade do CNPq. E-mail: daniel.coronel@uol.com.br

[2] Professor Adjunto do Departamento de Administração da UFSM, Doutor em Administração pela UFSM. E-mail: nelguimachado@hotmail.com

[3]Mestre em Administração pela UFSM e aluno do Curso de Especialização em Estatística e Modelagem Quantitativa. E-mail: leonardocopetti@hotmail.com

[4]Técnico em Artes Gráficas da Editora da UFSM e Mestre em Gestão de Organizações Públicas pela UFSM. E-mail: gustavodesouzacarvalho@gmail.com

 



Compartilhe com sua rede social!




© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet