Entidades repudiam falta de debate em minuta que altera ingresso na UFSM SVG: calendario Publicada em 25/01/23 15h30m
SVG: atualizacao Atualizada em 25/10/23 15h47m
SVG: views 836 Visualizações

Sedufsm, Assufsm, Sinasefe, Atens, DCE e APG assinam nota conjunta que foi endereçada a conselheiras e conselheiros do CEPE

Alt da imagem

A minuta de resolução que altera as formas de ingresso nos cursos de Graduação da Ufsm está na pauta da 983ª Sessão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que ocorre a partir das 8h30 desta quinta-feira, 26 de janeiro. Assim, as entidades representativas dos segmentos da Ufsm (Sedufsm, Assufsm, Atens, Sinasefe, DCE e APG) reuniram-se e elaboraram uma carta pública, que já foi enviada à Secretaria dos Conselhos Superiores para encaminhamento às e aos conselheiros do CEPE.

Na carta está o repúdio ao envio da minuta ao CEPE sem um amplo debate com a comunidade. Ao invés de buscar resolver o problema da evasão enfraquecendo o ENEM/SISU, as entidades defendem um olhar mais cuidadoso para a precariedade das políticas de assistência estudantil e para os efeitos da pandemia e do ensino remotos.

Desde que a ideia de trazer de volta o vestibular e o processo seletivo seriado começou a circular, a Sedufsm se fez presente nas instâncias buscando problematizar e amplificar a discussão. Exemplos foram a participação do sindicato na reunião aberta promovida em 30 de setembro para apresentar a proposta da reitoria; e o apelo feito pela direção sindical, em reunião com a vice-reitora Martha Adaime, para que a resolução pudesse ser amplamente debatida pela comunidade antes de ir à votação no CEPE.

Leia, abaixo, a nota na íntegra. O documento também está disponível para download no formato PDF ao final desta página:

"NOTA SOBRE A NOVA FORMA DE INGRESSO NA UFSM

Sedufsm, Assufsm, Sinasefe, Atens, APG e DCE repudiam o envio da minuta da nova resolução sem o amplo debate com a comunidade

As direções da Sedufsm, Assufsm, Sinasefe, Atens, APG e DCE vêm a público repudiar o envio ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da minuta da Resolução que regula as formas de ingresso aos Cursos de Graduação da Universidade Federal de Santa Maria.

As entidades representantes de docentes, técnicos(as) e estudantes entendem que não houve amplo debate com a comunidade acadêmica, que é preciso discutir a evasão e que o atual momento político é de fortalecimento do ENEM.

As entidades solicitam que a minuta seja retirada da pauta do CEPE e que o debate seja iniciado, com apresentação da proposta nos campi e centros, em assembleias das categorias e, posteriormente, audiência pública, do mesmo modo que foi feito quando a UFSM aderiu ao Sisu.

Faz-se necessário destacar que o modelo de construção adotado pela PROGRAD não contemplou de forma aprofundada esse debate, pois.

  • A Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) realizou o Seminário de Regulação e Planejamento Acadêmico dos Cursos de Graduação, desenvolvido entre os meses de abril e junho do ano passado, para a coleta de informações, que, compiladas, foram apresentadas na Audiência Pública, realizada no final de novembro. Ou seja, a proposta foi apresentada APENAS na audiência pública sem espaço para reformulação da mesma.
  • Foi realizado um formulário online, que não é o melhor instrumento para o debate qualificado, e teve a participação de apenas 213 pessoas. 
  • Além de não haver amplo debate – apenas uma audiência pública – também o tempo decorrido entre a mesma e a ida para o CEPE foi pequeno, uma vez que tivemos o recesso de final de ano e estamos no final do semestre, sem a possibilidade de ampla mobilização para a discussão.

Compreendemos que é preciso debater a evasão amplamente, assim como políticas de permanência estudantil, e que a mudança de ingresso não necessariamente irá diminuir esta evasão que, como o próprio processo afirma, tem causas multifatoriais. Compreendemos que, entre estas causas estão as políticas de permanência que, nos últimos seis anos, foram desestimuladas pelos governos.

Além disso, documentos presentes no processo informam que:

  • Desta forma podemos dizer que a média hoje da UFSM entre 2012 e 2021 é de 18,18% (o ano de 2011 é o ano de baliza inicial de dados para o cálculo da Evasão, sendo calculada a Média a partir do ano de 2012). Considerando o grande número de Cursos de Graduação, podemos afirmar que o Índice de Evasão da UFSM está abaixo da média nacional, que hoje está entre 20% a 30%. Importante lembrarmos que os dados de 2020 e 2021, em face à Pandemia COVID 19 e a introdução do Regime de Estudos Domiciliares Especiais – REDE em 2020/1 e vigente até 2021/2, pedem cuidado na avaliação dos dados referentes aos anos de 2020 e 2021, com previsão de finalização do Calendário Suplementar das disciplinas represadas em 2020/1. Nota-se uma redução no índice de evasão no ano de 2021, em face a flexibilização no período do REDE no que tange ao cancelamento de vínculo e abandono. A partir de meados de 2023, poderemos vislumbrar de forma real as informações sobre evasão dos anos de 2020, 2021 e 2023.

No processo enviado ao CEPE, a UFSM alega que:

  • A centralização da gestão de todo o processo pelo Ministério da Educação deixa limitada a atuação das universidades aderentes, que não conseguem realizar uma cogestão autônoma. Algumas dificuldades foram percebidas, como atrasos nas impressões das provas do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM – e no próprio calendário do SiSU.

No entanto, os últimos seis anos foram vividos a partir de cortes de investimentos na educação, além de, nos quatro anos passados, inúmeros problemas no ENEM, que dizem respeito a gestões que não tinham o interesse no investimento na educação pública. Compreendemos que o momento político é de fortalecimento do ENEM e que, neste sentido, não é hora de desestimular o uso do mesmo, uma vez que estamos em início de novo governo.

Compreendemos que, além do momento inoportuno, da necessidade de uma discussão ampla e qualificada sobre evasão, que o vestibular não é o modo de ingresso mais democrático de acesso e, sim, o SiSu. Além disso, salientamos que o Ensino Médio está passando por reformulação – com a implantação do chamado Novo Ensino Médio – o que significa que uma mudança no ingresso na Universidade tem que respeitar o tempo de adaptação ao novo modelo de ensino e não concomitantemente.

Entendemos que, além das duas novas formas de ingresso – Vestibular Presencial, a partir do segundo semestre de 2023, e Processo Seletivo Seriado (PSS), a partir do primeiro semestre de 2024 (PSS1 – relativo ao 1º ano do Ensino Médio), a minuta apresenta outras demandas, relativas a vagas suplementares, são muito importantes de serem discutidas a fim de que ocorra sua implementação, mas gera estranhamento que nenhuma destas esteja acompanhada de parecer de setores e núcleos ligados a tais pautas, que poderiam embasar e aprofundar o formato ao qual seria o mais correto implementar, restando dúvida se houve debate real com tais setores para apresentação da proposta.

Pelo que foi exposto, alertamos para a necessidade de um debate mais amplo com a comunidade sobre o ingresso e principalmente a permanência dos estudantes na UFSM.

SEDUFSM - ASSUFSM - DCE – SINASEFE – APG - ATENS".

 

Texto: Bruna Homrich

Arte: Italo de Paula

Assessoria de Imprensa da Sedufsm 

 

 

SVG: camera Galeria de fotos na notícia

Carregando...

SVG: arquivo-download Documentos

- Nota sobre a nova forma de ingresso na UFSM

SVG: jornal Notícias Relacionadas

Servidores(as) aposentados(as) e pensionistas podem ficar isentos de IR

SVG: calendario 20/02/2024
SVG: tag Sedufsm
Lista de doenças dá a funcionário(a) público(a) direito de isenção, veja se faz parte do grupo e como solicitar

Campanha de financiamento da Escolinha Comunitária Ocupação Vila Resistência

SVG: calendario 16/02/2024
SVG: tag Sedufsm
Projeto busca apoio para concretizar sonho de uma educação sensível, diversa e antirracista

MGI convoca reunião com servidores para 28/2

SVG: calendario 15/02/2024
SVG: tag Sedufsm
Entidades sindicais e governo buscam acordo em meio a demandas por equiparação e reajustes
Veja todas as notícias