MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Cartilha sobre a PEC 32

Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Reflexões Docentes

A+ | A-

Tempo de luta nas universidades

29/05/2012

Rondon de Castro
Professor do departamento de Ciências da Comunicação da UFSM

As razões para a greve de docentes em mais de dois terços das universidades federais são muitas. Passam, principalmente, pela notória dificuldade da categoria em manter diálogo com o governo, dificuldade essa que norteou a assinatura – em agosto de 2011 – de um acordo emergencial, em que acertou pontos que ficam aquém das necessidades do movimento, mas que trazem avanços significativos: a reestruturação da carreira docente, destroçada por anos de improvisações oficiais, a incorporação das gratificações e um ínfimo reajuste de 4% a partir do último março. O governo dificultou o diálogo e rompeu o acordo. Em 31 de março, prazo dado pelas partes, as negociações foram interrompidas unilateralmente. Somente o indicativo de greve – esse último recurso de resistência – fez o governo voltar atrás. E edita uma MP (568), que carrega em seu bojo vícios como a transformação de percentuais de insalubridade em valores fixos. Mas, atrás de tudo, está o descaso oficial em tratar da desvalorização da carreira docente: além de estar entre as carreiras mais desvalorizadas do funcionalismo público federal, o governo omite que o salário real do docente nas Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) equivale apenas a um terço do que ele é remunerado (o valor básico) e que será isso que ele levará para a aposentadoria. E isso está ameaçado. Para uma carreira que não tem Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), o docente novo pagará pela aposentadoria complementar. O docente que entrou depois de 2003, já tem sua “integralidade” salarial questionada pela necessidade de pagamento de percentual. Diga-se que o docente cumpriu sua parte no acordo. Sobrecarregou sua carga horária, acentuou o produtivismo acadêmico e tolerou a precariedade das condições de trabalho de um expansionismo sem planejamento. Por muito tempo. Assim sendo, o descaso foi do governo e ele é o único responsável pela greve. (Publicado no Diário de Santa Maria de 29.05.2012)


Compartilhe com sua rede social


© 2022 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041